Recebimento indevido do Auxílio Emergencial pode dar até cinco anos de prisão

Quem recebe indevidamente pode ser enquadrado nos crimes de falsidade ideológica e estelionato

O governo federal implantou o auxílio emergencial para tentar reduzir os impactos financeiros causados pelo novo coronavírus na economia. O benefício está sendo destinado para os trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, que não recebem seguro-desemprego ou outro auxílio governamental. Quem tiver aprovada a solicitação receberá R$ 600 por um período de três meses, podendo ser prorrogado conforme decisão do governo.
Mas muitas pessoas que não se enquadram nesses requisitos têm feito a solicitação do auxilio, omitido informações com o objetivo de receber indevidamente o benefício. O advogado Lucas Pretto, destaca que isso pode ser caracterizado como crime de falsidade ideológica, o que pode gerar uma detenção de até cinco anos.
“O cidadão que solicitar o benefício declarando ou omitindo dolosamente circunstância que sabe que excluiria o direito ao benefício, pode estar cometendo os crimes de falsidade ideológica e estelionato, consumado ou tentado a depender se houver ou não o recebimento do benefício, com a agravante de ser cometido contra a assistência social, o que aumenta em um terço a pena do estelionato que varia de um a cinco anos de prisão”, comentou.
A liberação dos saques das poupanças digitais começa na próxima segunda-feira 27 de abril, para aqueles que nasceram nos meses de janeiro e fevereiro, no dia 28 para os nascidos em março e abril, 29 para os nascidos em maio e junho, 30 para os nascidos em julho e agosto. Em maio, será a vez de os nascidos em setembro e outubro sacarem o benefício no dia 4; e os nascidos em novembro e dezembro, no dia 5.

Rodolfo Salloum

CONTATE QUEM COMPREENDE DE COMUNICAÇÃO!

Não importa o tamanho do seu projeto, nós temos a solução ideal. Nosso trabalho de qualidade consegue atingir os passos necessários para o sucesso de sua comunicação!

Vamos conversar?

Envie uma mensagem. Também estamos no Facebook. Curta nossa página

FACEBOOK INOVE
INOVE CURSOS

(43) 9 9991.9646

Se preferir ligue pra gente 43. 3342 4815 Rua Rosanis Muniz Silva, 90

    Seu nome (*)

    Seu e-mail (*)

    Sua mensagem

    Quem recebe indevidamente pode ser enquadrado nos crimes de falsidade ideológica e estelionato

    O governo federal implantou o auxílio emergencial para tentar reduzir os impactos financeiros causados pelo novo coronavírus na economia. O benefício está sendo destinado para os trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, que não recebem seguro-desemprego ou outro auxílio governamental. Quem tiver aprovada a solicitação receberá R$ 600 por um período de três meses, podendo ser prorrogado conforme decisão do governo.
    Mas muitas pessoas que não se enquadram nesses requisitos têm feito a solicitação do auxilio, omitido informações com o objetivo de receber indevidamente o benefício. O advogado Lucas Pretto, destaca que isso pode ser caracterizado como crime de falsidade ideológica, o que pode gerar uma detenção de até cinco anos.
    “O cidadão que solicitar o benefício declarando ou omitindo dolosamente circunstância que sabe que excluiria o direito ao benefício, pode estar cometendo os crimes de falsidade ideológica e estelionato, consumado ou tentado a depender se houver ou não o recebimento do benefício, com a agravante de ser cometido contra a assistência social, o que aumenta em um terço a pena do estelionato que varia de um a cinco anos de prisão”, comentou.
    A liberação dos saques das poupanças digitais começa na próxima segunda-feira 27 de abril, para aqueles que nasceram nos meses de janeiro e fevereiro, no dia 28 para os nascidos em março e abril, 29 para os nascidos em maio e junho, 30 para os nascidos em julho e agosto. Em maio, será a vez de os nascidos em setembro e outubro sacarem o benefício no dia 4; e os nascidos em novembro e dezembro, no dia 5.

    Rodolfo Salloum

    Open chat
    1
    Olá, está precisando de assessoria? Vamos conversar?